Menu fechado

Clive Lemos

Biografia:

Clive Cícero dos Santos Lemos. Contabilista, poeta e contista. Um dos pioneiros de Itaipu. Erechim, RS.

Trabalhos:

CELINAUTA

Quando escrevi a respeito de uma anja que me cedeu umas folhinhas do papel
celofane e de uma pena ganso que pertencia a São Marco, foi para disfarçar,
naquela época eu não podia falar a verdade.
Só que hoje através de e-mail ficou mais fácil de burlar a censura celestial
Menina,quase que entrei numa fria (literalmente) .
Não é que, com aquela conversa mole, o Capeta me levou, para ver como
funcionava o inferno.
Mostrou o inferno americano, tudo funcionava, as mil maravilhas.
Banho frio com água 100 graus abaixo de zero pela manhã . A tarde tinha sessão
com os ajudantes furando os coitados com aqueles garfos em brasa.
Á noite mergulho após mergulhos nas caldeiras eternas .
Como ele falou em inferno americano, pensei comigo, que haveria outros infernos.
Então me levou para ver o inferno alemão e na época também o inferno russo.
Como no americano tudo funcionava na mais completa precisão. Banho gelado,
caldeiras e espetadelas homéricas.
Foi quando me veio a idéia de ver como era o inferno brasileiro.
Igual, igual, sem tirar nem por.
Porém, o que mais me chamou atenção é que vi uma turminha, encostadas pelos
cantos e corredores , sem fazer nada.
Procurei informação que era o que estava acontecendo.
O negócio era o seguinte, a firma que entregava o gelo há dois séculos que não
fazia entrega do produto.
O pessoal que trabalhava espetando , eram terceirizados e estavam de licença
para compensar as horas excedentes, pois aqui também não se paga mais horas
extras por causa da responsabilidade fiscal.
E as caldeirinhas tinham sido privatizadas e estavam desativadas, algumas até
pelo grande número de reclamações no Procon e outras por estar obstruindo a
pauta de votação no Conselho Superior de Ministros
Pra você posso dizer meu nome
José Piriteiro

ADESSO ERECHIM

Quando o sol da manhã põe suas rendas
De luz por tuas ruas tão vibrantes
Outras luzes nos rostos de tuas prendas
Brilham com mais fulgor, mais deslumbrantes.

É o orgulho de ser. São oferendas
De um povo tão gentil, em seus rompantes,
Foram os ontem, hoje são as lendas,
Guerreiros de uma raça de gigantes.

E se canta a Yáscara, incita
À suíte gaúcha dos afágos
Bailados do Jupem, que nos agita.

Tua doçura é inveja da Peccin
Com mil andanças viajarei teus pagos
Terra encantada, mágica Erechim!