Menu fechado

Jadir Vilela de Souza

Biografia:

Jadir Vilela de Souza nasceu em 03 de maio de 1925, na cidade de Divinópolis, Minas Gerais. Possui os cursos de Direito e Ciências Contábeis. Manteve por muitos anos seu escritório de advocacia, foi Diretor e professor universitário, hoje, aposentado. Casado com a trovadora Maria José de Almeida Souza e pai de sete filhos: Jadir Júnior, Gilka, Gilda, Gilma, Jader, Jad e Gilza.
Tem os seguintes livros editados: Soluços D’Alma (sonetos), Círios em Desfile (trovas), Pedras do Meu Caminho (trovas), Poemas das Horas Mortas (poemas de versos livres), Candeeiro e Candeeiro II (poemas para ler e pensar), Variações sobre o Amor (sonetos e outros poemas). Sua primeira obra foi “… E o Manué se Vingô” (conto em versos caipiras, publicado em 1946 e reeditado em 2007, em versão ilustrada.
Escreveu as peças teatrais já representadas: “O Único Recurso” e “Neurose” e tem inédita “Está Sobrando Respeito”.
É filiado à Sociedade Brasileira de Autores Teatrais e pertence a várias instituições culturais e literárias do Brasil e do Exterior. Seu nome consta na Enciclopédia de Literatura Brasileira, com inúmeras citações.

Foi membro correspondente nº 941.

Trabalhos

Soluços D’Alma

Jadir Vilela de Souza

Deus, vós que tendes todo o poder e a bondade,
Daí forças aos que passam pela provação!
Daí ao homem a fé, a esperança, a caridade…
E livrai, Pai, do ódio e toda a perdição.

Deus, perdoai aos que tem o senso da maldade,
Livrai-nos do rancor que foge da razão;
Daí a luz aos que na terra almejam a verdade,
E ponde, Pai, o amor em cada coração!

E quando, Pai amado, eu for aos céus subir,
Sem o pesado corpo, este que me faz vir
A sempre santa dor que purifica a alma,

Ainda pedirei a Vós, daqui da terra:
Deus, pela sofredora humanidade que erra
Aceitai minha prece e meu SOLUÇOS D’ALMA!

Súplica

Por que, Senhor, é curta a mocidade
e assim também tão curta a nossa vida?
Que bom seria se em qualquer idade
a velhice não fosse percebida!

Ela nos vem, parece, por maldade,
embora seja sempre repelida.
Aumenta, Senhor Deus, a mocidade…
Prolonga, por mais anos, nossa vida.

Que a nossa juventude seja eterna,
que a vida, para sempre, seja terna;
que nunca falte amor pelos caminhos!

E, quando a nós vier o teu chamado,
esteja certo que, no teu reinado,
só jovens tu terás, nunca velhinhos!

(citado no livro: “Jadir Vilela de Souza, Poeta Místico”, de Pedro Pires Bessa)

Canto aos céus

Jadir Vilela de Souza

Vêde, meu Deus, a terra amargurada
Em que este povo cumpre a sua vida;
A nossa lenta marcha para o nada
Numa alegria quase consumida!

Sim, vêde a terra triste e ressecada
Que em outros tempos fora tão florida!
Agora, a multidão apavorada
Suplica aos céus numa amplidão perdida!

A roça morre, morrem cafezais,
Mas lá no seco pasto a fome é mais,
E já faminto e triste o gado berra!

Mas Deus, olhando as pobre criaturas,
Faz-se cair em chuvas das alturas,
Enquanto sobem prantos cá da terra!

O sorriso que ficou

Jadir Vilela de Souza

Ela passou, sorriu, e foi andando…
E de emoção eu juro que tremi!
Ela se foi, mas me deixou pensando:
Será que ela sentiu o que senti?

Ela gostou de mim. Mas, até quando?
Algo de amor em seu olhar eu li.
Ela passou, sorriu e foi andando…
E depois disso nunca mais a vi!

Coisa engraçada a vida. Quem diria?
E seu nome? Será Nair, Maria…
Dela nada se sabe. Nada, enfim!

Se alguém souber do paradeiro seu,
Diga que é ela este soneto meu…
E que saudade ela deixou em mim!

(do livro “Variações sobre o Amor)

Solução

Quando achares que tudo
está perdido,
eleva teu pensamento
a Deus,
e pede ajuda.

Não cometas
atos impensados,
julgando que a morte é a solução.
A morte provocada
aumenta os problemas.

Se quiseres
te livrar deles,
busca uma prece
sincera,
e terás ajuda
que mereceres.
Jesus te ajudará
Na solução
Que julgas impossível!

(do livro: “Candeeiro II”)

Menina moça

Passou, por mim, um dia, vaporosa,
uma mocinha que é um encantamento.
Toda elegante, toda perfumosa,
com seu cabelo a inquietar-se ao vento.

E, vendo criatura tão formosa,
fiquei extasiado num momento.
Que bela face meiga e tão mimosa…
Que corpo de causar deslumbramento!

E para realçar o seu encanto,
trazia, sobre o peito puro e santo,
tão linda rosa de vermelha cor.

E eu, sem saber dizer qual a mais bela:
se a rubra flor que enfeita essa donzela
ou se a donzela que possui a flor!

(do livro: “Variações Sobre o Amor”)

Otimismo

Faça de conta
que você tem hoje
um sol bonito e convidativo.

Faça de conta
que hoje será um dia feliz,
talvez, o melhor de sua vida.

Faça de conta que
“muito obrigado!, “com licença” e “por favor”
sempre são pronunciados por você.

Faça de conta
que o sorriso é permanente
em seus lábios,
e que seu rosto só mostra alegria.

Faça de conta
que você não tem problemas.

Faça de conta
que você tem coragem bastante
para vencer os fracassos,
E que só vitórias tem pela frente.

Faça de conta
que a partir de hoje
você será bem melhor
do que foi até ontem.

Se você puder fazer de conta
tudo isso,
você será o que todos esperam
de alguém…
Sem necessidade de fazer de conta.

(do livro: “Poemas das Horas Mortas”)