Cadeira 25 – Flávia Saavedra Serpa

Cadeira 25 – Flávia Saavedra Serpa | Patrono: João R. D’Escragnole

Biografia:

Petropolitana, advogada e poeta.

Trabalhos:

Apenas sua

Quando o conheci

imaginei enormes estradas a serem percorridas,

imaginei fogos, bandeiras, festas.

Ouvi sinos e cantigas de devoção, ouvi pássaros e rimas,

lendas e invenções miraculosas.

Conheci ainda caminhos estranhos

de luz e sombras alternadas,

estranhos ruídos e murmúrios;

senti fome, frio e dor.

Conheci ilusões, incertezas, charmes,

cheiros e jogos de sedução.

Conheci o gosto de ser a caça.

Me senti mulher, fêmea, e como uma adolescente

me senti piegas e atordoada.

Caí em precipícios, derrubei montanhas,

revolvi a terra criando eros

modifiquei os ventos, gerei furacões,

rompi pedras e esculpi seu nome no mais alto pico.

Conheci o desejo da vida em comum,

a repulsa, a dor da separação e a alegria do retorno.

Conheci os segredos da noite em claro,

a cumplicidade do parapeito da janela,

das confissões às estrelas.

Conheci o gosto da chuva, misturado às lágrimas.

conheci meus limites, minhas fraquezas,

me deparei com meus medos.

Me deparei com a realidade,

conheci a força da simples verdade, INCONTESTÁVEL…

De que eternamente, de que profundamente,

morrerei apenas, SENDO SUA…