Marglori

Cadeira 34 – Marglori | Patrono: Paulo Gomide

Biografia:

MARIA DA GLÓRIA DE ALMEIDA ARAÚJO que adotou o nome literário e artístico de MARGLORI, escreveu seu primeiro poema ainda criança, antes dos 10 anos quando começou a pintar. Aos 18 anos cursou “Belas Artes, Decoração de Interiores!” e fez dois cursos de História de Arte, cujos professores foram Toni Testononi e Win Louis Dijck. Cursou aulas de música, aprendendo a tocar violão e acordeom, se apresentando em palcos de diversas cidades junto com o fundador da “Academia de Acordeons”, Mário Mascarenhas. Como escritora e poeta, participou de diversas antologias com poemas, contos e crônicas. Tem quatro livros publicados: “Minhas emoções” (poemas); “Sinfonia dos Guarda-chuvas” “Meu amigo, meu irmão” e “Fragmentos de Cristal” (prosa). Professora de pintura e desenho, óleo sobre tela, aquarela, pastel e na arte do fogo em porcelana, tendo ainda vários outros cursos de arte. Premiada nas Artes Plásticas com Menções Honrosas a“Hors Concours”, no trabalho em porcelana com medalhas de bronze e Ouro e na literatura também com Menção Honrosa e Troféus. Patrono da cadeira 12 da Academia da escola Municipal Vila Felipe pertence também ao “Clube de Poesia do Petropolitano F.C.”. Foi cronista do jornal Diário de Petrópolis por cinco anos; escreveu na Revista Nacional, no Cenáculo e no Jornal do Bancários. Trabalhou em três Bancos: Ribeiro Junqueira, Comércio e Indústria de Minas Gerais e Nacional. É atualmente vice-presidente da Associação dos Artistas Plásticos de Petrópolis, tendo feito duas viagens à Europa em 1984, 1985 a 1986, quando visitou vários museus de artes.

Trabalhos:

MINHA SAUDADE, EM TERCEIROS

Meia noite, ele me abraçando com ousadia,
Docemente me beijava e assim dizia: – Vou embora…
Surpresa e emocionada, então, eu lhe pedia:

– Não vá, espera um pouco mais, não é hora,
A noite está fria e aqueço em tuas mãos, as minhas,
Breve a noite se vai, dando lugar a aurora!

A solidão me domina e, como aves sozinhas,
Nessa gélida noite, morrerei sem teu calor em meu leito,
E minha mente te seguirá, por certo, por onde tu caminhas…

Há chuva lá fora e há um vendaval em meu peito,
Não me deixes por agora, não estou mentindo, é verdade,
Tu machucas este coração que bate forte e sem jeito!

Sofrerei de paixão, bem sei, a vida será só infelicidade,
Fique, és minha luz, cristal resplandecente
Que dá forças e magia ao meu amor, tu és minha saudade!