Jane Rossi

Sócia Correspondente 1114
Guarulhos – SP – Brasil

Biografia:

Jane Guilherme da Silva Rossi

Jane Rossi nasceu em, Recife – PE, de onde saiu aos cinco anos de idade para morar em São Paulo – SP. Casa-se em 1979 e muda-se para Guarulhos – SP onde reside à 29 anos. Artista plástica, Escritora, Poetisa e Professora Formada em Letras pela Universidade Guarulhos e pós-graduada em Educação Especial pela Universidade Claretiano, atua como professora na rede pública de ensino na cidade de Guarulhos –SP.
Onde trabalha seu projeto “Mãos que Falam” preparando os alunos ouvintes
Para receberem o surdo em sala de aula. No ano de 2005 destacou-se no concurso de poesia “Poetas do ano” na Universidade Guarulhos.
Participou da Antologia “Coração de Poeta” com Marcelo Puglia, pela editora All Print em 2008 onde atuou também como revisora e da Antologia “Emoções em Família “ pela Oficina do livro editora-SP em 2008.
Para o segundo semestre deste ano estará participando das seguintes Antologias: Antologia Delicatta III com Luiza Moreira, “Nós mulheres” pela Oficina do livro editora, “As cartas que nunca mandei” com Marcelo Puglia e Antologia dos Poetas Virtuais III com Magali de Oliveira, onde também atua como revisora.

Estará presente na Bienal do livro com “Chuva de emoções” pela editora All Print um livro de poesias de auto-ajuda,seu mais recente trabalho ao lado da escritora Monica Yvonne Rosenberg.

Contato: janelibras@hotmail.com;
jane.teacher@hotmail.com

Trabalhos: 

Saudade

Mergulho nas lembranças do passado
E a lágrima que teima em rolar
A dor que rasga o peito deflagrado
É dor que dói e nunca vai passar

Saudade é a recusa do presente
É vida em um passado a segregar
Deixando o futuro impotente
É dor que dói na alma e faz chorar

O tempo não perdoa e vai passando
Futuro em presente se transformou
Saudade continua magoando
É dor que dói e ainda não passou

Levar a vida assim tão doidamente
Sabendo que jamais vou te encontrar
As lágrimas me banham eternamente
É dor que dói e insiste em ficar

Jane Rossi

Brinde

Tim! Tim! é o toque da taça
É o som do cristal do amor
O sorriso por trás da vidraça
É um brinde feliz e encantador

Tim!Tim! é o encontro da paz
Superando qualquer emoção
Alma gêmea num elo tenaz
É sorriso, é amor, é paixão

Tim! Tim! é o real esplendor
Que borbulha na taça cristal
Duas almas vivendo o amor
Coração em paixão divinal

Autoria: Jane Rossi

Lótus

Desabrochando sobre águas turvas
Soberania e perfeição sensual
No profano e no sagrado se derivas
Deleite e magia conjugal

Abrindo-se intacta da nódoa do mundo
Prosperidade e pureza é constante
Atributo de um amor profundo
Consagra a vida de um ser mutante

Imensidade neutra da maldade
Bondade de imensa perfeição
És culto de eterna divindade
Latente e recôndito coração

Oh! Flor que traz magia pura
Oh! Símbolo de paz e de prazer
Por sobre águas turvas desabrocha
Soberania imensa a renascer

(Jane Rossi)

Preto e branco

No imenso Universo
Olho o mundo a girar
Não vejo cor nem sabor
Só a derrota a pairar

Ta tudo no preto e branco
Sem graça sem alegria
Com ele to me acabando
Em eterna nostalgia

Não vejo sol nem calor
O frio gelado invade
Só sofrimento e terror
Miséria e crueldade

Cadê o brilho Senhor?
Coloca tua mão aqui
O mundo ta acabando
Nós precisamos de ti

(Jane Rossi)

Bendita maçã

Flores, frutos, encantamento!
Estado de graça sobrenatural
Faltou o direito ao conhecimento
E a diferença entre o bem e o mal

De todas as árvores, tu comerás
Existe uma que não podes tocar
Se comer deste fruto, tu morrerás
A beleza e a vida reina nesse lugar

Anjos, arcanjos, não era ilusão!
Mas não se conteve, perdeu a razão
E na flor da pele sente a sensação
Que comendo o fruto teria perdão

Comeu da maçã, perdeu a perfeição!
E sente vergonha por não obedecer
Nasce outro homem, com outra visão
E o homem de hoje vive à padecer.

Jane Rossi

Oleiro

Tu és oleiro, Meu Senhor!
Cuida de mim, me restaura
Do coração, cura esta dor
Me faz sentir a brisa, a aura
De minha alma tira o pavor
Eu quero ter visões, bem calma
Então escuta este meu clamor!
Me fortalece, refaz minh’alma
Me mostra um mundo de outra cor
Me mostra amigos, que sejam flores
Quero compor um lindo ramalhete
Só de alegrias, sem dissabores
Restaura agora, tu és oleiro!
Transforma a vida, tráz paz e amor
E o coração que está em desespero
Troca por outro, sem angústia e sem dor!

Jane Rossi

Agarradinhos

Na caixinha de lembranças encontrei uma linda foto
Revivi o nosso passado, que foi como um terremoto
Mas o amor foi cravejado dentro do nosso coração
Resistiu todas as provas, vivemos linda emoção

Não queriam nosso amor, impediam nossa união
Vivemos dias de dor e momentos de aflição
E o amor falou mais alto, construímos nosso ninho
Da nossa unificação, herdamos nossos anjinhos

Ninho repleto de amor e alegria de criança
Sorriso choro e dor, são guardados na lembrança
Pássaros crescem e voam, ficam livres pelo ar
Mas nós temos um ao outro, o sol, a lua e o mar

E depois de muitos anos, amando e sendo amada
No futuro nossos planos, seguir junto a caminhada
E no fim de nossa estrada, como sempre, bem juntinhos
Estaremos de mãos dadas, morreremos…agarradinhos

Jane Rossi

Mosaico de mim

No meio da escuridão, estava triste, calada
Perdendo a fé no amanhã, nem futuro eu almejava
A vida estava sem cor, só pedras na minha estrada
Permanente era o inverno que na alma congelava

Olhei pra dentro de mim e não via esperança
Lágrimas brotaram nos olhos, chorava como criança
A vida estava em pedaços, eu estava agonizando
Por entre choro e dor, vi a minha fé voltando

Acreditei que existe um Deus pra nos socorrer
E um anjo iluminado que nos faz sobreviver
Fui catando os pedaços da vida espedaçada
Fui montando um mosaico, uma vida renovada

Pedaço por pedaço fui encaixando com calma
Precisei ser um artista, renovando a caminhada
Quando juntei os pedaços, pintei com uma nova dor
Fiz um mosaico de mim, troquei a dor por amor.

Jane Rossi

“Fonte de vida”

Imenso reservatório de energia
Fonte de Juventude e criação
Origem e veículo da vida
Restaura sonhos, em sua imersão

Reduz os pecados existentes
É símbolo de pura perfeição
Nos mares, nos rios, está presente
Na bolsa, acompanha o embrião

São gotas que caem na estrada
Sugada pela terra sedenta
Floresta agradece ser lavada
A vida e a pureza representa

No deserto o povo te suplica
Que venha sua fonte abastecer
E a alma sempre te identifica
Por vida, conduzida à renascer.

Jane Rossi

“É o amor”

O mais belo sentimento, perene na vida humana
Derreia até o fingimento, habita em casa e cabana
Doma o coração do homem, busca a entrega total
Se abandonam, se consomem, desejo descomunal

São dois seres unificados, vivendo plena evolução
São diamantes cravejados, com brilho no coração
Desejo, malicia ou sonho, que explodem duas vidas
Encaminha ao matrimônio, faz feliz, almas sofridas

Não tem dia, não tem hora, para ele desembarcar
Mudar tudo em sua vida, te mostrar o céu e o mar
Viaja em nuvens brancas, conhece o desconhecido
Você voa sem ter asas, vai ao céu sem ter morrido

O céu fica mais azul, as flores mais perfumadas
O mundo mais colorido, a vida mais encantada
A felicidade é constante, o coração a saltitar
É lindo, é inebriante, chegou a hora de amar.

Jane Rossi