Marcelo Mourão

Sócio Correspondente 1100
Rio de Janeiro- RJ – Brasil

Biografia:

Marcelo Mourão nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1973. É professor de ensino médio, poeta, letrista e romancista. É ex-aluno do Colégio Pedro II (1984-1992). No ano de 1991, participou como vocalista do conjunto Atos de Loucura no chamado Brock. Movimento este iniciado na década de oitenta e que revelou grandes bandas como Legião Urbana, Paralamas do Sucesso e Titãs. Lançou-se nessa atividade justamente quando tal estilo musical encontrava-se em sua fase de esgotamento estético e mercadológico. Possui cinco livros ainda inéditos. No ano de 2008, lançará seu primeiro romance intitulado “Quem disse que o amor pode acabar?” e que tem como temáticas centrais o HIV, a Aids e a união sorodiscordante. No ano de 2009 está previsto, como comemoração por seus 20 anos de poesia (começou a escrevê-las em 1989), o lançamento de “O Livro dos Dias”. Este sendo uma coletânea dos melhores poemas feitos desde o início de sua trajetória até o ano de seu lançamento. Gosta de definir-se sempre se utilizando dos versos do poeta Célio Expedito, seu amigo, morto tragicamente de acidente automobilístico aos 17 anos :” Eu não cansarei de me abrigar nos sonhos, correr pra tempestade e abraçar a fantasia”

Trabalhos

Elo

teu sangue
me alerta e ensina
o valor que tua alma
tem hoje pra minha
teu sangue, minha vida
nossa rota, tua sina
tudo é um só corpo
um só nome
um só rumo
meta, plano, fome
teu sangue
me aceita e me aquece
e a partir de então
somos carne da mesma espécie.

08/02/2008

No universo da palavra (Marcelo Mourão)

Se me falares: “-Eu te amo!”, acreditarei.
Mas se escreveres,
maior ainda será a força da minha crença.
Se me disseres: “-Sinto tua falta!”, acreditarei.
Mas se escreveres sobre essa saudade,
eu sentirei todo a intensidade dela.
Se me falares: “-Quero muito você!”, acreditarei.
Mas se escreveres sobre o vigor desse desejo,
saberei como me preparar para ti.
As palavras libertam, cativam, surpreendem
As palavras congelam em papéis
atos, idéias, pensamentos.
Denunciam amores, invejas, loucuras,
medos, incertezas, tormentos.
As palavras são tão fortes
que não conhecem a morte.
Escrever é digerir com a alma
os aromas que a vida exala
Quem escreve constrói uma casa,
mas quem lê é quem vai habitá-la.

20/05/2006

Sesmaria

vem
boca, seios e sonhos
armada de amor,
paixão e fogo
me faz renascer
menino e louco
e feliz pra você
vem
grava teu nome,
atiça e sacia
todas as fomes
crava as unhas
marca a pele,
rasga e tira meu sangue
e põe o teu pra habitar
e dar vida ao que parecia morto
vem
que em mim
semeaste uma alcatéia de doidos
serpentes de paixão
circulando famintas, insones
à procura desse pão
que só há nas capitanias do teu corpo
vem
sinto-me infeliz nesse jogo
sinto-me tão solto,
cego, perdido,sou tão pouco!
tudo que toco fica torto
murcha, morre, fica oco
o céu não exala, é insosso.
e eu procuro estrelas
mas só encontro fogo morto.

18/02/2008