Marco Aurêh

Sócio Correspondente 1131
Petrópolis – RJ – Brasil

Biografia:

Marco Aurêh, nascido em Petrópolis-RJ, é músico, poeta, compositor e ator profissional desde 1979. Especializou-se em composição de trilhas sonoras e direção musical para teatro onde atua desde 1982. Musicou dezenas de espetáculos e conquistou diversos prêmios. Membro do Conselho editorial do Jornal Poiésis.

Escreveu sobre música e teatro em várias publicações (Vertente Teatral, Culturarte e Poiésis). Foi um dos fundadores do jornal “Culturarte”. É membro do conselho editorial do jornal “Poiésis – Literatura, pensamento e arte”. É autor da peça infantil, “Criando Asas”, texto selecionado para a leitura dramatizada do 3º Seminário Nacional de Teatro para Infância e Juventude do SESC-CBTIJ.
Participou da fundação do grupo “Teatro do Livro Aberto” dirigido pela escritora e dramaturga Sylvia Orthof. Lançou em 2003 o CD “Cantando Sylvia Orthof” (que foi relançado em 2006) onde reúne uma seleção de músicas em parceria com a autora. “Criou o espetáculo musical, “Cantando Sylvia Orthof” – Uma Viagem Musical Brasileira”. Aurêh assina a concepção, o texto, a direção musical e a direção geral deste musical que já foi visto por mais de cinqüenta mil pessoas, principalmente do estado do Rio de Janeiro (circuito Sesc) e da região sul do país (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul).
Formou parceria com Ariano Suassuna (autor de “O Auto da Compadecida”) no espetáculo “Coração Mamulengo” musicando textos deste renomado autor, esta trilha também foi lançada em CD em 1999 e concorreu ao prêmio Coca-Cola – RJ na categoria “Melhor Música”.
Estudou harmonia funcional com Ian Guest e harmonia tradicional com Gulherme Bauer; Teoria musical com Gilberto Bittencourt e Paulo Winter.
Estudou flauta doce no Instituto dos Meninos Cantores de Petrópolis com a professora suíça, Sylva Hummel, é auto-didata na flauta transversa, no violão e na gaita de boca.
Atuou (músico, ator e diretor musical) durante cinco anos no grupo Pipócolis de animação infantil com o qual gravou um disco em 1984.
Ministrou aulas de musicalização infantil por dezesseis anos. Este trabalho gerou três discos infantis: “Voz em Cena Sem Borracha” (1999), com crianças de 2 a 8 anos de idade; “A Voz da Criativa Idade 1 e 2” (2000/2001) com crianças de 2 a 12 anos. Atualmente (2008), é professor de música do 8ª e nono ano do Colégio Alaor, em Petrópolis-RJ.
Coordena cursos e oficinas para atores e músicos desde 1991 (“A música em cena” e “Música e voz no teatro”).
Fundou a banda Lummen de música progressiva. Com a Lummen gravou o CD “Ao Vivo no Rio Jazz Club” que foi lançando em 1999 pelo selo Som Interior – o disco teve ótima repercussão no cenário progressivo do Brasil e do exterior.
Lançou em 2003 com o músico e compositor Paulo Loureiro, o CD “Palma – 12 Ciclos” pelo selo “Som Interior”, este discoapresenta um belo trabalho de música instrumental progressiva e também tem tido ótima repercussão no exterior.

PRINCIPAIS ESPETÁCULOS COM MÚSICAS E DIREÇÕES MUSICAIS ASSINADAS POR MARCO AUREH

1986 – ROUPAS DE BAIXO – Direção de Henry Pagnhochelli (Comédia)
1987 – A HISTÓRIA DE LENÇOS E VENTOS – Direção de Caíque Botkay (Infantil)
1988 – O CAVALO TRANSPARENTE – Texto e Direção de Sylvia Orthof (Musical Infantil)
1989 – O CABARET DA REPÚBLICA – Texto e Direção de Sylvio C. Filho (Revista).
1990 – PONTO DE TECER POESIA – Texto e direção de Sylvia Orthof (infanto-juvenil)
1991 – A HISTÓRIA DE TONY E CLÓVIS – Texto e Direção de Carlos Augusto Nazareth (infantil)
1992 – BACO, O TEATRO – Texto e Direção de José Facury (Adulto – Teatro de revista).
1993 – NADIM NADINHA CONTRA O REI DE FULEIRÓ – Direção de Paulo Marcos de Carvalho
1994 – O PÁSSARO DO LIMO VERDE – Texto e Direção de C. A. Nazareth (Musical Infantil).
1995 – O TEATRO DE BRINQUEDO – Concepção do grupo Sobrevento (Adulto) – Direção de Luis André Querubini
1996 – O EQUILIBRISTA – Direção de Marcia Duvalle (Infantil)
1996 – MARTIM CERERÊ – De Cassiano Ricardo, Direção Sylvio C. Filho (Adulto).
1997 – O MENINO DETRÁS DAS NUVENS – Texto e Direção de Carlos Augusto Nazareth (Infanto-juvenil)
1998 – CONVERSA DE PESCADOR – de Guilherme Guraral – Direção de Lúcia Coelho e Andrea Dantas (infantil)
1999 – CORAÇÃO MAMULENGO – De Ariano Suassuna, Direção Carmem Leonora (comédia).
1999 – VIAGEM À TERRA DOS PAPAGAIOS – Texto e Direção de Marcos França (infantil)
2000 / 2002 – LENDAS DO MUNDO – Encenação, roteiro e direção de Marco Aureh e Mario Mendes. (livre)
2002 – MEL ME QUER, MAL NÃO QUER – de Thomas Back – Direção de Ângelo Turci.
2003 / 2004 – CANTANDO SYLVIA ORTHOF – Texto e Direção de Marco Aureh (Musical Infantil).
2005 – A RODA DA HISTÓRIA – Texto e Direção de Ângelo Turcci (infanto-juvenil)
2006 – A JOÃO DO VALE, O POETA DO POVO – Direção de Maria Helena Künner. (musical) – O PRÍNCIPE PERALTA – De Bruno Bacelar – Direção de Ângelo Turci
2007 – I FESTA DE ENTREGA DO PRÊMIO ZILKA SALABERRY DE TEATRO INFANTIL – Trilha sonora original de Marco Aurêh, direção de Carlos Augusto Nazareth

PRÊMIOS

Foram seis indicações para o prêmio Coca-Cola de Teatro na categoria Melhor Música: 1994, 1995, 1996-(RJ), 1996 (SP), 1998, 1999 (RJ). Aureh tornou-se o recordista de indicações nesta categoria tendo conquistado o prêmio em 96 / RJ. Durante os doze anos de existência, este concurso teve concorrentes ilustres como os compositores Edu Lobo, Paulo Jobim, Eduardo Dusek, Paulo César Medeiros, Tim Rescala e Ian Guest, entre outros.
Destaque também para a indicação ao prêmio Sharp em 1994.

As principais premiações:

– PRÊMIO COCA-COLA DE TEATRO (RJ) 1996 /CATEGORIA MELHOR MÚSICA COM A TRILHA SONORA DO ESPETÁCULO “O EQUILIBRISTA”

– PRÊMIO COCA-COLA DE TEATRO (RJ) 1994 (indicação) / CATEGORIA MELHOR MÚSICA COM A TRILHA DO ESPETÁCULO “O PÁSSARO DO LIMO VERDE”

– PRÊMIO COCA-COLA DE TEATRO (RJ) 1995 (indicação) / CATEGORIA MELHOR MÚSICA COM A TRILHA SONORA DO ESPETÁCULO “O THEATRO DE BRINQUEDO” (grupo Sobrevento)

– PRÊMIO COCA-COLA DE TEATRO (SP) 1996 (indicação) / CATEGORIA MELHOR MÚSICA COM A TRILHA SONORA DA VERSÃO PAULISTA DO ESPETÁCULO “O PÁSSARO DO LIMO VERDE”

– PRÊMIO SHARP DE TEATRO (RJ) 1994 (indicação) / CATEGORIA MELHOR ESPETÁCULO COM “O PÁSSARO DO LIMO VERDE”

– PRÊMIO COCA-COLADE TEATRO (RJ) 1998 (indicação) / CATEGORIA MELHOR MÚSICA COM A TRILHA SONORA DO ESPETÁCULO “CONVERSA DE PESCADOR”

– PRÊMIO DE MELHOR MÚSICA ORIGINAL NO XVIII FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO DE S.J. DO RIO PRETO – SP 1998 PELA TRILHA SONORA DO ESPETÁCULO “O MENINO DETRÁS DAS NUVENS”.

– PRÊMIO DE MELHOR SONOPLASTIA NO XVIII FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO DE S.J. DO RIO PRETO – SP 1998 PELA TRILHA SONORA DO ESPETÁCULO “O MENINO DETRÁS DAS NUVENS”.

– PRÊMIO DE MELHORSONOPLASTIA NO IV FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO DE CAMPOS-RJ PELA TRILHA SONORA DO ESPETÁCULO “A ÚLTIMA ESTÓRIA”

– PRIMEIRO COLOCADO NO I CONCURSO BANDA X BANDA (1989) PELA ATUAÇÃO E COMPOSIÇÃO DAS MÚSICAS DA BANDA VENTO

– BI-CAMPEÃO DO II CONCURSO BANDA X BANDA (1992) NOVAMENTE PELA ATUAÇÃO E COMPOSIÇÃO DAS MÚSICAS DA BANDA VENTO

– PRÊMIO COCA-COLADE TEATRO (RJ) 1999 (pré-seleção) / CATEGORIA MELHOR MÚSICA COM A TRILHA SONORA DO ESPETÁCULO “CORAÇÃO MAMULENGO”

– PRÊMIO MARIA CLARA MACHADO (RJ) – 2002 (indicação 1o semestre) – CATEGORIA MELHOR MÚSICA PELA TRILHA SONORA DE “O CAVALO TRANSPARENTE”

– PRÊMIO/HOMENAGEM CBTIJ (Centro Brasileiro de Teatro para Infância e Juventude) RJ – 2003 – Prêmio de reconhecimento pelo conjunto da obra musical voltada para o público infantil e juvenil.

– Melhor músico progressivo de 2003 (bRASIL) ELEITO PELO SITE www.rockprogressivo.com.br

DISCOGRAFIA

– CANTANDO SYLVIA ORTHOF, MÚSICAS DE MARCO AUREH -CD INDEPENDENTE (2003) contendo uma seleção de músicas compostas por Aureh sobre as letras dessa conceituada escritora. ATUOU COMO CANTOR, MÚSICO E ARRANJADOR.
– PALMA, 12 CICLOS – CD / SOM INTERIOR (2003) – MÚSICA INSTRUMENTAL PROGRESSIVA. ATUOU COMO COMPOSITOR, MÚSICO E ARRANJADOR.
– AO VIVO NO RIO JAZZ CLUB – LUMMEN – CD / SOM INTERIOR (1999) – ATUOU COMO VOCALISTA, MÚSICO E AUTOR DAS MÚSICAS.
– A VOZ DA CRIATIVA IDADE I e II – CD INFANTIL (2000/2001) – CANTOR, COMPOSITOR E DIRETOR MUSICAL.
– CORAÇÃO MAMULENGO – CD INDEPENDENTE (1999) – TEXTO DE ARIANO SUASSUNA. ATUOU COMO CANTOR, MÚSICO, ARRANJADOR E AUTOR DAS MÚSICAS.
– PIPÓCOLIS – DISCO VINIL INFANTIL (1984) – ATUOU COMO CANTOR, FLAUTISTA E COMPOSITOR
– THE BOOCK OF COMEDY – ANIMA DOMINUS – CD (1999) / ATUOU COMO FLAUTISTA
– VOZ EM CENA – SEM BORRACHA – CD INFANTIL (1999) – CANTOR, COMPOSITOR E DIRETOR MUSICAL

.1 – BLUE DESERT – CD DE MÚSICA INSTRUMENTAL DO TECLADISTA ANDRÉ MELLO (2000) – ATUOU COMO FLAUTISTA

– ANNO LUZ – VINIL – ÁLBUM DE MÚSICA INSTRUMENTAL (1987) – ATUOU COMO FLAUTISTA / RELANÇAMENTO EM CD PARA O ANO 2001
– JULIÃO RÍSPOLE – VINIL INDEPENDENTE (1983) – ATUOU COMO FLAUTISTA E ARRANJADOR
– QUERO FOGO – CÉSAR NASCIMENTO – CD INDEPENDENTE (2006) – ATUOU COMO FLAUTISTA.
– “RODA DE CANTIGAS – ZÉ ZUCA – CD (2007) – SELO RÁDIO MEC (2007) – ATUOU COMO ARRANJADOR, INSTRUMENTISTA E VOCALISTA.

Contatos
(21) 9569 0103

MAIORES INFORMAÇÕES (FOTOS, ÁUDIOS, ARTIGOS, AGENDA, ETC…) NO SITE OFICIAL
www.marcoaureh.com.br
www.myspace.com/aureh

Trabalhos

Qualquer canto

Quero que você me coma
Em Petrópolis ou em Roma
Dois corpos em Biodança
No Rio ou na França

Quero você minha Madona
Em Lisboa ou Barcelona
Duas almas em desfile
No México ou no Chile

Quero teu cheiro em minhas narinas
No Peru ou na Argentina
Bebendo cachaça ou chá
Em Sergipe ou Bagdá

Quero você de zero a mil
Em Marte ou no Brasil
Duas peles em sintonia
Na Esbórnia ou na Bahia

Quero você na minha cama
Pelada ou de pijama
Quero você minha mucama
Discreta ou sacana

Roubo

Um beijo roubado é um beijo louco
é um beijo rouco,
é rápido e quente como fogo,
tem sabor de aventura, medo e prazer..
Um beijo roubado é pra ceder porque é pra valer
É pra sentir porque é pra morrer
É pra viver
É pra lamber
É pra morder

Pensar em ti

Penso em ti como quem conta estrelas e adormece feito lua minguante.
Penso em ti como quem caminha solitário à beira-mar e sente a água nos pés provocar arrepios
Penso em ti como quem colhe damas da noite e cantarola melodias feito um menestrel medieval

Pensar em ti a todo o momento
é te querer mais que o pensamento
é estar contigo plena mente
é te encontrar em essência
em alma
em imaginação
em verbo
em verso
em canção

Lobo

Sinto-me feito um lobo exilado,
Animal selvagem preso na jaula.
Pelos crescem,
Angústias crescem,
Carência aumenta.
E enquanto a alcatéia não passa,
Eu asso.
E você – minha presa,
minha água,
meu alimento e minha liberdade;
distante.

Fim de noite

Pulsa forte um coração palpitante e vão olhos nublados pelas ruas úmidas de uma cidade fria.
Tudo é névoa,
Tudo é nudez,
Tudo é canto noturno e implicante de Corujas sinistras.
UHU, UHU, UHU…
Disfarça em mim uma Sensação otimista por reencontrar Luzes
FUUUUUUUUUHUUUUUHUUUHUUU…
E os ventos Uivam e eu caminho,
Trôpego de Vinho
Pleno de Ânsia
E corta-me os pulsos pensar que amanhã a Vida prossegue feito engrenagem que Range
RRRRRRRRRRRRRRRREEEENKKKKKK…
Onde foi parar meu Relógio?
Minhas horas carregaram meu Tempo e eu tropeço em Pensamentos e em pedras
TRACKT!
Sigo alheio,
Bêbado de sono feito um Morfeu suicida,
Bailando zigue-zagues feito um Galo de briga.

Sonho de um jardineiro

Uma pequena flor do campo,
simples e suave,
Floresce no meu quintal,
e hoje tive olhos para ela.
Embora suas minúsculas pétalas ignorem meu olhar,
eu sinto sua presença e a reverencio como um súdito humilde.
Ela tem, além de singela beleza,
o extraordinário brotando em sua simplicidade.
Recebo este presente sem tocá-lo
e sinto seu perfume sem cheirá-lo…
no meu sonho de jardineiro,
nesta flor enxergo Deus.

Insônia 9

Na madrugada eu me encontro
E somente nela
O silêncio me chega
Como um cello tocando bach
Solitude bachbara
Solidão necessária
Bálsamo que ameniza
A turbulência diária

Moscas indianas

As moscas da índia pousam…
Pousam nos rostos
Pousam nos olhos
Das pobres e belas crianças famintas
Que assistem a tudo
Como anjos despreocupados
Olhos arregalados
Filhos desamparados
Pequeninos deuses de uma
Divina tragédia humana
04 / 01 / 98

Insônia 12

A lua cheia
Arregala meus olhos
E cala meus sonhos
A lua cheia recheia minha solidão
De companhias fantasmagóricas
A lua cheia
Me enche de ilusão
E eu não durmo
Penso
Penso e não chego a conclusão nenhuma
Penso na noite
Penso na lua
E aos poucos
Numa lentidão infinita
O dia vazio vai nascendo
E a lua cheia morrendo
A claridade que revela as olheiras
É a mesma que estanca a magia
E a solitária lua que era o meu bode expiatório
Já não expia mais nada
Sou eu que permaneço me olhando
Até o sono, enfim, chegar

14/ 01/ 98

Pierrot Insatisfeito

Andei torto por ruas mal iluminadas
E em meio a trevas e sussurros noturnos,
Seus olhos iluminavam minha cabeça inebriada.
Junto à madrugada cheia de medo e paralisia,
Eu seguia e gemia em silêncio por cada lembrança da tua ausência presente.
As nuvens mascaravam o luar que cantava luzes em tom menor,
E eu, Pierrot solitário, andando e sonhando em ser teu Arlequim,
Bêbado de amor e dor…
Acordei num botequim!
Marco Aurêh